11 de out de 2011

VIOLEIRO APAIXONADO E SUA DAMA BORBOLETA

O que pode acontecer dentro de um coração, para o amor não se acabar depois de tanto tempo.

Quando param para pensar no tempo e na velocidade com que os dias passam, eles se perguntam o que será que os enfeitiçou deste jeito, para que nada e nem ninguém penetre esses corações e esse amor.

Quando pensam que esqueceram, é aí que descobrem que está ainda maior esse sentimento que os invadem a alma e transpassa os corações e vai além da distância que os separam e os aproximam de novo.

Como em um passe de mágica e como nas notas das melodias do violeiro e embalados pelos contos e poesias de sua dama, esse amor vai crescendo em ritmo constante e leva com ele seus corpos e suas almas, e como se estivessem em um salão de festa, dançando ao som da música e embriagados por seus cheiros e enfeitiçados por seus sorrisos...

Esse amor segue...

O violeiro escafandro, dentro de suas verdades, de seus medos e desatinos, não consegue lutar e assumir seu amor por sua dama borboleta, que não consegue mais voltar para o casulo.

Casulo este que depois de rompido e aberto, não tem mais como voltar ao passado, suas asas de borboleta, tomaram dimensões e em altos vôos ela sonha em andar o mundo, em realizar seus sonhos e ter junto de ti o seu violeiro escafandro.

Como foi voar para muito longe, a dama as vezes se perde de seu violeiro, chega a pensar muitas vezes, que não mais conseguirá voltar para o lugar que está seu violeiro.

E ele, pelo contrário, não consegue sair de seu escafandro e ir para junto de sua dama.

Chega até a tentar ser feliz ao lado de outra pessoa que não seja sua dama, mas o sentimento que sentem um pelo outro é tão grande, que não conseguem enxergar além deles mesmos.

Assim vão caminhando por essa vida, entre encontro e desencontros, o amor deste violeiro escafandro e de sua dama borboleta, não acaba, apenas se arrasta por mais um tempo, até que o destino os coloque frente a frente, para afim reviverem sua história de amor.

Amor este que começou há mais de 17 anos atrás e que antes que essa dama borboleta se transforme em uma lagarta novamente e perca as possibilidades de voar até seu violeiro, ela sonha em vê-lo se libertando de seu escafandro e tomando coragem de ir até ela, para serem feliz para sempre.





ROSINÉIA DIANA BALBINO






Nenhum comentário:

Postar um comentário